5 CURIOSIDADES SOBRE O REAL

Por mais que as máquinas de cartão estejam populares a ponto de serem encontradas facilmente em táxis e feiras livres, o real continua habitando os nossos bolsos e, recentemente, completou 18 anos de circulação. Talvez você não saiba, mas hoje existem mais 81 moedas que complementam o real no Brasil. Além disso, colecionadores podem chegar […]

Por mais que as máquinas de cartão estejam populares a ponto de serem encontradas facilmente em táxis e feiras livres, o real continua habitando os nossos bolsos e, recentemente, completou 18 anos de circulação.

Talvez você não saiba, mas hoje existem mais 81 moedas que complementam o real no Brasil. Além disso, colecionadores podem chegar a pagar até cem reais por uma única nota de R$ 1, desde que ela possua as qualidades e requisitos necessários. Confira essas e outras curiosidades na lista a seguir.

1. Nota de R$1 pode valer cem vezes mais

Por não ser mais fabricada e raramente vista em circulação, a antiga nota de R$ 1 pode chegar a valer até R$ 100 para colecionadores. A maioria delas, porém, acaba sendo comercializada por R$ 15 ou R$ 20, o que já é um ótimo lucro para o vendedor.

2. 150 milhões de notas de R$ 1 ainda circulam no Brasil

Encontrar uma nota de R$ 1 é tão raro que ela acabou ganhando um certo misticismo e, hoje, há quem prefira guardar essas cédulas na carteira, para dar sorte. Porém, engana-se quem acha que ela sumiu completamente do mercado: de acordo com dados do Banco Central (BC), existem mais de 150 milhões dessas notas em circulação no Brasil.

3. Frango: garoto-propaganda do Plano Real

Em 1994, era possível comprar um quilo de carne de frango ou 10 pãezinhos com uma nota de R$ 1. O frango chegou até mesmo a ser usado como garoto-propaganda do Plano Real, o que fez com que o consumo anual desse tipo de carne subisse de 14 kg para 40 kg por pessoa.

4. Brasil tem outras moedas além do Real

Não é só o real que circula pelo Brasil. De acordo com o UOL Economia, existem mais 81 moedas que complementam o nosso dinheiro e que são reconhecidas pelo Banco Central. Criadas por bancos comunitários para estimular a economia de algumas regiões, essas moedas sociais (ou alternativas) podem ser encontradas em estados como o Ceará, Piauí, São Paulo e Rio de Janeiro.

No Ceará, por exemplo, é possível encontrar moedas como o Sabiá, Ibaré, Maracanã e Ita. Já no Piauí, os destaques ficam por conta das notas de Semear e Cocais, enquanto que no Jardim Filhos da Terra, em São Paulo, moradores fazem compra com a Apuanã. Em Silva Jardim, no RJ, o Capivari é a moeda social local.

De acordo com a matéria, os bancos comunitários do Brasil movimentaram cerca de R$ 10 milhões nos últimos 14 anos, sendo que R$ 400 mil foram na forma de moedas sociais.

5. Oito moedas diferentes em 50 anos

O Brasil trocou de moedas oito vezes em pouco mais de 50 anos. Depois de réis, cruzeiro, cruzeiro novo, cruzado, cruzado novo, novamente cruzeiro e cruzeiro real, o país finalmente adotou a moeda atual em 1º de julho de 1994. As notas mais modernas do real, lançadas em 2010, possuem tamanhos diferentes e diversas tecnologias que garantem a sua autenticidade.

Fonte: UOL Economia

Deixe uma resposta